Semanal   AE PRO

  Postado em 01 de setembro de 2017



Visão Geral

IGP-M, PNAD Contínua, PIB, resultado primário. Essa sopa de letrinhas marcou a semana que passou e deu o tom das perspectivas para os próximos meses. 

Em suma, como era de se esperar, os resultados confirmaram boa parte das nossas expectativas. Mas o resultado do PIB brasileiro do 2 trimestre de 2017 veio acima das nossas expectativas e das expectativas da maioria dos economistas.

Mas antes de falar de PIB, um dado importante nos chamou muito a atenção: a PNAD Contínua.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio é um trabalho realizado pelo IBGE que apresenta as condições do mercado de trabalho.

A pesquisa apresenta o que chamamos de médias móveis trimestrais, ou seja, sempre a soma dos últimos três meses. Não vamos entrar em metodologia agora. Qualquer coisa, fale com a gente. O que importa é que o o desemprego caiu de 13% no trimestre abr-mai-jun/17 para 12,8% no trimestre mai-jun-jul/17. Agora temos somente aproximadamente 13,2 milhões de desempregados acredite, tem gente que vai comemorar.

Bem, o ponto alto é que o resultado não foi motivado por mais carteiras assinadas. A realidade é que muitas pessoas desempregadas desistiram de procurar emprego, pois já se ajeitaram: fazendo bicos ou outros empregos informais. Afinal, o mais importante é não faltar a comida na mesa.

Esse resultado certamente complementa o resultado do PIB do 2 trimestre de 2017: uma alta de 0,2% puxado pelo consumo das famílias. Além dessa queda sutil do desemprego, tivemos estímulos do saque das contas inativas do FGTS. Fica a dúvida: será que esse movimento é sustentável? Acreditamos que não, pois foi um estímulo pontual e, do ponto de vista das famílias, um emprego informal não garante segurança financeira.

E para o governo também não é o melhor dos mundos, afinal, um emprego informal não paga imposto (vide mais um resultado negativo das contas públicas: -R$ 20,2 bilhões em julho).

Nesta semana que se inicia destacamos os dados da atividade do setor industrial brasileiro, calculado pelo IBGE, o dado oficial de inflação o IPCA, e a taxa básica de juros Selic, definida pelo Banco Central. No exterior, atenção para dados da Zona do Euro e China.

As notícias da semana que passou não são tão boas. Mas sempre dá para se ajustar ao cenário.

Acompanhe o Painel Semanal PRO 080 e saiba mais.

Perspectivas

No Brasil


Na terça-feira, 5/9, conheceremos o resultado da Pesquisa Industrial Mensal referente ao mês de julho, feita pelo IBGE. Considerando o fraco desempenho da economia e o resultado abaixo do esperado para o mês de junho de 2017, acreditamos que a indústria teve um resultado


Compartilhe isso:

Deseja receber nossas análises semanais? Inscreva-se e participe do Análise Econômica FREE!

* Caso não queria mais participar do Análise Econômica FREE, digite novamente seu nome e e-mail.